Blog

24/11/2017

Reter talentos é a prioridade dos líderes de RH brasileiros

Executivos brasileiros apostam na retenção de profissionais enquanto os mexicanos priorizam o treinamento e desenvolvimento de executivos e, os argentinos, a remuneração e os benefícios. É o que aponta o barômetro global de RH da Michael Page, consultoria global em recrutamento e seleção.

A pesquisa consultou 2.572 líderes de RH de mais de 65 países e indica que a prioridade dos RHs brasileiros é a retenção de talentos (46%), seguido de treinamento de executivos (39%) e desempenho de gestão (36%). As médias globais desses quesitos são 26%, 33% e 28%, respectivamente.

”A conjuntura econômica atual acaba refletindo nos planos de curto e médio prazo das companhias. Como estamos atravessando um momento difícil, os executivos das empresas de capital nacional estão investindo na retenção e no desenvolvimento dos talentos para atravessar essa fase de instabilidade. No México, embora os objetivos sejam os mesmos, a economia e o mercado de trabalho local estão em plena expansão”, explica Ricardo Rocha, gerente executivo da Michael Page.

Ainda de acordo com o levantamento, na Argentina, os executivos priorizam a renumeração e os benefícios (49%) além do clima de trabalho (49%), bem acima da média global que é de 18% para ambos os tópicos. Já no México a realidade está mais próxima do Brasil, os mexicanos também pretendem investir no treinamento e no desenvolvimento dos profissionais (41%) e retenção de talentos (38%).

“Apesar das incertezas da economia global, o mercado de trabalho argentino possui uma dinâmica diferente. As companhias estão passando por um processo de consolidação de gestão, o que impacta nas políticas de RH. As empresas estão analisando o cenário interno de suas estruturas e investindo em renumeração e benefícios além do clima organizacional, para assegurar os seus talentos”, avalia.

Estratégico 

O levantamento também mensurou o quanto a área de RH é vista como estratégica e que pode agregar valor ao negócio. De acordo com os indicadores, 72% dos líderes de RH no Brasil se reportam diretamente para o executivo número da empresa, o CEO. A média global desse indicador é de 63%.

A Argentina concentra a maior porcentagem da América Latina nesse quesito, 85%, enquanto no México são apenas 63% dos consultados.

“As empresas já perceberam que é fundamental os líderes de RH trabalharem alinhados com os cargos de decisão e liderança. Quanto mais forte essa sinergia dentro da organização, melhores serão os resultados alcançados pelas companhias”, explica Rocha.

Contratação

De acordo com os dados da Michael Page, 50% os líderes mexicanos pretendem aumentar o quadro de funcionários nos próximos 12 meses. Já no Brasil, apenas 38% almejam contratar para o ano que vem, enquanto na Argentina, a porcentagem desse item é ainda menor.

 

Compartilhar

Vagas Gerenciais em Blumenau e Região

Cód.: 5430

Necessário conhecimento de centros de usinagem e tornos CNC além de outros equipamentos, como mandrilhadoras. ...

Cód.: 5450

Supervisionar planos de vendas internos e externos; Análise e pesquisa de mercado; Realizar análise critica de procedimentos, propor e acompanhar ...

Cód.: 5500

Gestão da equipe comercial existente e na necessidade fazer substituições; Acompanhar e avaliar desempenho dos representantes (cobranças, metas,...

Matérias Relacionadas
20/12/2017

Atualizar-se no mercado e manter atitudes positivas no dia a dia são fundamentais para o sucesso profissional.

07/12/2017

Veja seis dicas elencadas por especialistas para encontrar o profissional perfeito para sua empresa.

11/11/2017

São Paulo - Profissionais dotados de inteligência emocional estão à frente de seus colegas - inclusive daqueles com o raciocínio mais afiado.

Segundo uma pesquisa da consultoria TalentSmart, o QE (Quociente Emocional) pode ser mais decisivo para o sucesso na carreira do que o famoso QI (Quociente de Inteligência).